A nuvem que pintou a quarta de cinza

Hoje queria ser um gato. Para poder ser dona de mim mesma, te olhar de maneira esnobe, abanar o rabo de maneira metida e te dar uma lambida áspera. Áspera seriam minhas palavras se elas saíssem fluídas de minha boca. Queria poder ser um gato, só hoje, para poder saber quando alguém está a espreita de você. Erguer as orelhas e saber daquele milésimo de … Continuar lendo A nuvem que pintou a quarta de cinza