Sobre o Pensamento da Raposa

*Texto de autoria própria publicado no site Deu Ruim     Creio que a raposa foi mal interpretada, ou se não, tenho que admitir que não concordo inteiramente com a opinião dela. Desculpe-me,  Antoine, não acho que alguém seja eternamente responsável por aquilo que cativas, a não ser que o seu esforço para cativar seja maior que o seu cativo natural. Acredito que se a … Continuar lendo Sobre o Pensamento da Raposa

Quando a Lembrança Dá os Ares da Graça

*Texto de autoria própria publicado no site De Repente da Certo   Eu estava lá, onde exatamente não me recordo, mas me lembro do carro em movimento. Da risada de minhas amigas no banco da frente. O vidro meio aberto, o vento batendo em meu rosto, os cabelos, fio por fio, voando em diferentes posições, ora batendo em meu rosto. Mas a lembrança, a que … Continuar lendo Quando a Lembrança Dá os Ares da Graça

Ele Te Acha uma Puta

  Gabriela era fascinada por livros. Desde os nove anos vivia enfurnada dentro de seu quarto com um livro nas mãos. Introvertida, Gabriela sempre cresceu com o mesmo grupinho de amigas. Quieta, Gabriela sempre mais ouviu do que falou. Sempre. O futuro de Gabriela estava selado, ela seria aquela garota que poucos conhecem de verdade, um mistério para muitos, mas ela nunca pediu por atenção. … Continuar lendo Ele Te Acha uma Puta

A Linha Tênue entre o Desapego e o Desrespeito

Tenho seriamente percebido a falta de respeito entre as pessoas, eu até iria dizer “as pessoas de hoje”, mas não vivi mais que uma vida para saber se no século 19 as pessoas já haviam se esquecido deste tipo de respeito. O respeito de que eu falo não é aquele que você pega um papel caído de uma pessoa qualquer do trabalho, ou aquele jantar … Continuar lendo A Linha Tênue entre o Desapego e o Desrespeito

A nuvem que pintou a quarta de cinza

Hoje queria ser um gato. Para poder ser dona de mim mesma, te olhar de maneira esnobe, abanar o rabo de maneira metida e te dar uma lambida áspera. Áspera seriam minhas palavras se elas saíssem fluídas de minha boca. Queria poder ser um gato, só hoje, para poder saber quando alguém está a espreita de você. Erguer as orelhas e saber daquele milésimo de … Continuar lendo A nuvem que pintou a quarta de cinza